Aniversáriantes

Banner
Segunda, 29 Novembro 1999 21:00

Governo continua em débito com Professores do FUNDEB 40

Avalie este item
(0 votos)

Cerca de 200 profissionais da educação ainda não receberam os salários do mês de março de 2018. Os professores que se encontram em desvio de função e que exercem atividades de secretário escolar, auxiliares de secretarias, ou outros profissionais que atuam em órgãos como o CME, o CAE e sindicato foram transferidos da folha do FUNDEB 60 para folha do FUNDEB 40.

De acordo com a Presidente do Sindicato do Magistério (SIMPI), Profa. Carminha Oliveira, nota-se que o Governo não tem feito a contrapartida municipal para pagamento de folha, o que tem gerado atrasos de salário.

Conforme a legislação vigente, os municípios brasileiros precisam contribuir no mínimo com 25% de suas arrecadações para educação pública. De acordo com a Direção Sindical o município tem dependido apenas, das verbas provenientes do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), que vem do Governo Federal, que são insuficientes para cobrir a folha. “Sempre soubemos que os recursos federais não são suficientes para arcar com a folha da educação de Itabuna. Portanto, o município precisa complementar com recursos próprios. Infelizmente, tudo indica que o Governo não vem cumprido com este requisito”, afirma Carminha Oliveira.

De acordo com a previsão de Pagamento da Secretaria de Finanças e da Própria Secretaria da Educação, os professores em desvio de função deverão receber seus salários entre os dias 19 e 20 de abril, quando deverá entrar outra parcela da União. O SIMPI, levando em conta a última assembleia da classe realizada em 09 de abril, já emitiu comunicado ao Governo informando que os professores que não receberam salário estão autorizados a suspender suas atividades. “O salário é um direito fundamental, é a contraprestação pelo nosso serviço à sociedade. Aqueles que não receberam, não estão obrigados a trabalhar, conforme dispõe a lei de greve. Recomendamos que todos paralisem suas atividades e só retornem quando houver pagamento do salário”, declara a líder sindical.

Ainda de acordo com a sindicalista, a preocupação é que esses atrasos se tornem uma constante no município. “É preciso uma readequação urgente nas finanças da Secretaria e um investimento municipal na complementação dessa folha, pois do contrário, teremos atrasos recorrentes, o que irá gerar novas paralisações e consequente prejuízo aos alunos”, finaliza Carminha Oliveira.

Fonte: Ascom SIMPI.

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Visitantes Online

Nós temos 132 visitantes online

Contador de Visitas

3826257
TodasTodas3826257

Calendário